As taxas brutas de natalidade e de mortalidade

A natalidade é um dos fenómenos mais influentes na evolução da população. As mulheres portuguesas têm cada vez menos filhos e cada vez mais tarde.

Felgueiras não foge à exceção, pois no início da década de 90, a taxa de natalidade era 18,7 ‰, valor esse que desceu para os 7,1‰ em 2014. Deste modo, houve uma redução 11,6 nascimentos por cada mil habitantes. Este decréscimo é justificado pelo desenvolvimento do País, em geral, e do concelho, em particular. Assim, o desenvolvimento do planeamento familiar, a vulgarização dos métodos anticoncecionais, a emancipação da mulher e a sua entrada no mercado de trabalho, o aumento dos encargos e das responsabilidades inerentes a cada filho são alguns dos fatores que conduzem à redução da taxa de natalidade.

A mortalidade é também um fenómeno com grande importância na evolução de uma população. Em Felgueiras, os valores da taxa de mortalidade apresentaram-se reduzidos tendo havido poucas oscilações entre 1990 (6,8‰) e 2014 (6,6‰), registando-se uma redução de apenas 0,2 ‰. A sua diminuição generalizada para valores atualmente bastante reduzidos deve-se sobretudo aos progressos na medicina e à sua massiva difusão mas também à subida do nível vida que se traduziu na melhoria da alimentação e das condições de habitação.

À diferença entre as taxas de natalidade e de mortalidade designa-se por taxa de crescimento natural. No início da década de 90, o saldo era de 11,9‰, valor esse que diminuiu para 0,9‰ em 2014. Deste modo, a taxa de crescimento natural, tem vindo a diminuir fruto da redução da taxa de natalidade e da reduzida taxa de mortalidade, valores estes que acompanham a tendência do país e da Europa.